Laboratório de Escrita Literária, 19 março e 16 de abril

11 de março de 2011 § Deixe um comentário

livro feito de fava de flamboyant, por Luisa Malzoni

Workshop de Iniciação à Escrita Literária

Este workshop se destina a pessoas que desejam escrever, que gostariam de escrever literatura, e que encontram as mais variadas dificuldades e inibições. Muitas pessoas não têm tempo, ou não recebem estímulo,  não têm meios de iniciar um texto literário, seja poema, seja narrativa. Ou, mais frequentemente, se distanciam do prazer da  escrita pela simples razão de ter bloqueada sua natural capacidade de imaginação, seja por medo, por vergonha ou mesmo por falta de meios técnicos de abordar o papel, a tela em branco.

Nosso encontro consta de propostas criativas, com o correspondente exercício por escrito, realizado por cada um, passo a passo, num trabalho lúdico de escrita individual-leitura em grupo-reescrita. O aluno recebe vários exercícios para prosseguir nas experiências de sua imaginação e fluência, seja em casa, no metrô, na fila do banco, na espera do cinema, no intervalo do semáforo, na demora da chegada do parceiro, nas salas de espera.

Workshop de Escrita Criativa e Linguagem Poética

Vamos trabalhar com escrita e leitura no sábado dia 19 março de 2011

ou sábado, 16 de abril de 2011
Das 14:30hs às 18:00.
Idade de 18 anos em diante
Local: Atelier Gato de Máscara, Oficina do Zelador de Sonhos
Rua Fradique Coutinho, 1884
Vila Madalena, São Paulo, SP
(entre a rua Purpurina e a Natingui)
Valor: R$246,00
Inscrições pelo: gato-de-mascara@uol.com.br
Ou 011 67524010
Com Regina Gulla, poeta, professora de escrita literária.

Iniciamos este ano a Oficina de Criação Literária online.

Entra em contato pelo email gato-de-mascara@uol.com.br
Objetivos: Teremos 3 horas e meia de exercícios voltados a despertar a escrita criativa,
compreender o quanto a linguagem poética contribui com a prosa e
experienciar  imaginação poética no sistema da escrita literária proposto por esta oficina,
A Oficina de Criação Literária do Zelador de Sonhos, no Atelier Gato de Máscara.
https://bosquesonhador.wordpress.com
http://oficinadeescrita.wordpress.com
http://blogcriativo.wordpress.com
http://www.gato-de-mascara.com.br

Para leitura complementar, sugiro que assistam um desses vídeos a respeito da obra de Escher, isso vai facilitar a
compreensão da experiência que vamos ter com palavras, aqui no workshop. Ele faz parte
da nossa família de linguagem e pensamento. Assim como o poeta Francis Ponge, em texto abaixo.
Peço que reenviem este convite aos seus amigos, aqueles que possam se interessar por essa experiência de escrita.
Abraços a todos
Grata
Da Regina Gulla

http://www.youtube.com/watch?v=9m1io-7Sm4A&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=x6srS80Pzdg&feature=related
http://vimeo.com/14542839
http://www.youtube.com/watch?v=mnFeiWlSKog&feature=related
http://tv.estadao.com.br/videos,REPORTAGEM-MIRIM-CONHECA-A-HISTORIA-DO-ZELADOR-DOS-SONHOS,124748,0,0.htm
http://www.submarino.com.br/portal/Artista/3932218/+regina+gulla

……………………………………..

MY CREATIVE METHOD

Sidi-Madani,  quinta-feira, 18 de dezembro de 1947

Sem dúvida não sou muito inteligente: em todo caso  as idéias não são o meu forte. Sempre fui  iludido por elas. As opiniões mais bem fundamentadas, os  sistemas filosóficos mais harmoniosos (os mais bem constituídos)  sempre me pareceram absolutamente frágeis, me provocaram  uma certa repugnância, vazio na alma, uma penosa sensação  de inconsistencia. Não me sinto de modo algum seguro das  proposições que lanço durante uma discussão.  As que me são opostas parecem-me quase sempre igualmente  válidas; digamos, para sermos exatos: nem mais nem menos  válidas. Posso ser convencido, desarmado com facilidade.  E quando digo que posso ser convencido: trata-se, senão  de alguma verdade, pelo menos da fragilidade de minha própria  opinião. Além do mais, o valor das idéias  parece-me na maioria dos casos em razão inversa ao ardor  empregado para expô-las. O tom da convicção  (e mesma da sinceridade) é adotado, assim me parece, tanto  para convencer-se a si mesmo quanto para convencer o interlocutor,  e mais ainda talvez para “substituir” a convicção.  De qualquer modo, para substituir a verdade ausente das proposições  emitidas. Eis o que sinto de modo bem forte.
Assim, as idéias como tal parecem-me aquilo de que sou  menos capaz, e não me interessam mesmo. Vocês me  dirão sem dúvida que aqui há uma idéia  (uma opinião)… mas: as idéias, as opiniões  me parecem dirigidas em cada um de nós por algo que não  o livre-arbítrio ou o juízo. Nada me parece mas  subjetivo, mais epifenomenal.
Não compreendo muito que as pessoas se jactem delas. Eu  acharia insuportável que se pretendesse impô-las.  Querer apresentar sua opinião como válida objetivamente,  ou em termos absolutos, parece-me tão absurdo quanto afirmar  por exemplo que os cabelos louros cacheados são mais “verdadeiros”  que os cabelos pretos lisos, o canto do rouxinol mais perto da  verdade que o relincho do cavalo. (Em compensação  sou bastante propenso à formulação e talvez  tenha algum dom para ela. “Eis o que você quer dizer…”  e em geral obtenho daquele que falava a concordância com  a fórmula que lhe proponho. Este é um dom de escritor?  Talvez.)
Caso um pouco diferente é o do que chamarei de constatacões;  digamos, se preferirem, as idéias experimentais. Sempre  me pareceu desejável que houvesse um entendimento, senão  quanto às opiniões, pelo menos quanto a fatos bem  determinados, e se isso ainda parece muito pretensioso, pelo menos  quanto a algumas definições sólidas.
Talvez fosse natural que com tais disposições (desgosto  pelas idéias, gosto pelas definições) eu  me dedicasse ao recenseamento e à definição  em primeiro lugar dos objetos do mundo exterior e entre eles daqueles  que constituem o universo familiar dos homens de nossa sociedade,  em nossa época. E por quê, me objetarão, recomeçar  o que foi feito em várias oportunidades e bem estabelecido  nos dicionários e enciclopédias? Mas, responderei,  por que e como é que existem vários dicionários  e enciclopédias na mesma língua na mesma época  e que suas definições dos mesmos objetos não  são Idênticas? Sobretudo, como é que no caso  parece estar mais em questão a definição  das palavras que a definição de coisas? Por que  posso ter essa impressão, para dizer a verdade bastante  extravagante? Por que essa diferença, essa margem inconcebível  entre a definição de uma palavra e a descrição  da coisa que essa palavra designa?
Por que as definições dos dicionários nos  parecem tão lamentavelmente desprovidas de concreto e as  descrições (dos romances ou poemas, por exemplo)  tão incompletas (ou muito particulares e detalhadas, ao  contrário), tão arbitrárias, tão temerárias?  Não poderíamos imaginar uma espécie de escritos  (novos) que, situando-se mais ou menos entre os dois gêneros  (definição e descrição), tomariam  emprestados do primeiro sua infalibilidade, sua indubitabilidade,  sua brevidade também, do segundo seu respeito pelo aspecto  sensorial das coisas…

Francis Ponge

 

Anúncios

Marcado:, , , , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Laboratório de Escrita Literária, 19 março e 16 de abril no O BOSQUE SONHADOR.

Meta

%d blogueiros gostam disto: